woohoo news

notícia


7/8/2012

Perna brasileira da ASP South America é cancelada

As etapas do ASP Prime em Imbituba e do ASP 6-Star no Rio de Janeiro não serão reeditadas por falta de patrocínios e a temporada encerra-se na Bahia


As duas etapas programadas para o mês de outubro foram canceladas e a tradicional "perna brasileira" de fim de ano da ASP South America não vai acontecer este ano. Os organizadores do ASP Prime de Imbituba (SC) e do ASP 6-Star do Rio de Janeiro, não conseguiram os patrocínios necessários para reeditarem os eventos realizados com tanto sucesso no ano passado na Praia da Vila e no Arpoador, respectivamente. Com isso, o Surf Eco Festival na última semana de agosto em Salvador, passa a ser o último evento internacional da temporada 2012 no Brasil. Na capital da Bahia, serão coroados os campeões sul-americanos da ASP South America na temporada e definidos os surfistas que vão defender o continente no Circuito Mundial Pro Junior da ASP.

A quinta edição do Surf Eco Festival foi marcada no mesmo palco do ano passado, em frente ao SESC na Praia de Jaguaribe. Serão dois campeonatos realizados na mesma semana. Começa pela categoria profissional nos dias 27 a 29 de agosto, com a etapa do ASP 1-Star de 15 mil dólares que no ano passado foi vencida pelo baiano Bino Lopes. E no dia 30 será iniciada a decisão do ASP South America Pro Junior Series 2012, com a disputa final pelos títulos sul-americanos Sub-20 masculino e feminino que vai até o sábado, 1.o de setembro.

Com o cancelamento da "perna de fim de ano", esta será a terceira e última etapa da ASP South America no Brasil válida pelo ranking mundial unificado da ASP, que classifica dez surfistas para a elite dos top-32 do WCT. As outras foram do nível máximo de pontuação dos circuitos qualificatórios, com o Hang Loose Pro Contest abrindo o calendário do ASP World Prime no mês de fevereiro em Fernando de Noronha (PE). Já o Quiksilver Saquarema Prime, apresentado pela Coca-Cola em Saquarema (RJ), aconteceu em maio, logo após a etapa brasileira do WCT, o Billabong Rio Pro na capital do Rio de Janeiro.

Por ser realizada na reta final da temporada, a "perna brasileira" era decisiva na corrida pelas vagas para a divisão de elite do ASP World Tour. Competindo nas ondas que conhecem bem, os brasileiros tinham uma chance maior de conseguirem superar os concorrentes dos outros países, bem como contavam com todo apoio da torcida em casa. Foi com os 6.500 pontos da vitória no ASP Prime de Imbituba, que Gabriel Medina deu a arrancada para conquistar classificação para brilhar no grupo dos melhores surfistas do mundo.

"É uma perda bastante expressiva para as aspirações dos surfistas brasileiros e sul-americanos de uma maneira geral, o fato destas duas importantes etapas não serem confirmadas neste ano", lamenta Roberto Perdigão, diretor regional da ASP South America. "Com certeza, disputando mais eventos em casa, nossos atletas têm maiores possibilidades de melhorar suas posições no ranking qualificatório do ASP World Ranking, como vinha acontecendo nos últimos anos".

BRASIL NO TOPO - Mesmo perdendo mais dois eventos, o bom trabalho da ASP South America ao longo dos anos ainda mantém o Brasil como o principal país na história da divisão de acesso do ASP Tour, iniciada em 1992 com a criação do World Championship Tour (WCT) e World Qualifying Series (WQS). Nas 21 temporadas que estão sendo completadas em 2012, foram distribuídos no Brasil um total de 9 milhões e 280 mil dólares e 226.500 pontos em 122 etapas do WQS, Prime ou Star. Em segundo está os Estados Unidos, com 8 milhões e 345 mil dólares e 218.750 pontos em 172 etapas de menor importância que as disputadas no Brasil.

"Estamos vivendo um momento atípico, reflexo de uma crise global e ainda com a concorrência dos Jogos Olímpicos de Londres e das eleições em nosso país, o que tem contido de forma significativa os investimentos públicos e privados em vários outros eventos esportivos e não apenas no surfe", destaca Roberto Perdigão.

A ASP South America também permanece em segundo lugar entre os sete escritórios regionais da entidade que mais ofereceram prêmios e pontos para o ranking de acesso do ASP World Tour. O número 1 é o da ASP Europe com um volume total de 14 milhões e 310 mil dólares e 328.250 pontos em 208 etapas, contra 10 milhões e 350 mil dólares e 254.875 pontos em 149 etapas da ASP South America. A ASP North America vem em terceiro com 9 milhões e 535 mil dólares e 240.500 pontos em 202 eventos.

"Seguimos trabalhando para superar esse momento e, ao que parece, pelas propostas que temos na mesa, a temporada de 2013 nos oferece um horizonte mais favorável ", revela o diretor do escritório regional da ASP na América do Sul. "Vamos aguardar a concretização destes projetos e destas propostas, mas sabemos que temos que ter sempre os pés no chão nessa hora e trabalhar dobrado para voltarmos a ter um calendário forte no próximo ano. Espero ainda, que o impressionante desempenho dos atletas brasileiros no Nike US Open, um dos eventos mais grandiosos do circuito mundial em Huntington Beach, na Califórnia, sirva como estímulo para que os nossos atuais promotores e patrocinadores sigam apoiando as etapas do ASP World Tour em nossa região."

HISTÓRIA DO RANKING DE ACESSO DA ASP - WQS / ASP PRIME / ASP STAR - 1992 a 2012:

PAÍSES QUE OFERECERAM MAIS PRÊMIOS E PONTOS:
1.o: BRASIL - US$ 9.280.000 e 226.500 pontos em 122 etapas
2.o: ESTADOS UNIDOS - US$ 8.345.000 e 218.750 pontos em 172 etapas
3.o: HAVAÍ - US$ 6.090.000 e 158.500 pontos em 105 etapas
4.o: AUSTRÁLIA - US$ 5.345.000 e 135.450 pontos em 86 etapas
5.o: FRANÇA - US$ 4.185.000 e 89.000 pontos em 46 etapas
6.o: PORTUGAL - US$ 3.600.000 e 88.250 pontos em 61 etapas
7.o: ÁFRICA DO SUL - US$ 3.425.000 e 82.500 pontos em 49 etapas
8.o: JAPÃO - US$ 2.810.000 e 68.125 pontos em 75 etapas
9.o: ESPANHA - US$ 2.285.000 e 51.625 pontos em 42 etapas
10.o: INGLATERRA - US$ 1.640.000 e 37.500 pontos em 19 etapas
(*)- mais 26 países sediaram etapas entre 1992 e 2012

ESCRITÓRIOS REGIONAIS DA ASP:
1.o: ASP EUROPE - US$ 14.310.000 e 328.250 pontos em 208 etapas em nove países do continente
2.o: ASP SOUTH AMERICA - US$ 10.350.000 e 254.875 pontos em 149 etapas em sete países
3.o: ASP NORTH AMERICA - US$ 9.535.000 e 240.500 pontos em 202 etapas em oito países
4.o: ASP AUSTRALASIA - US$ 7.135.000 e 178.050 pontos em 107 etapas em sete países
5.o: ASP HAWAII - US$ 6.090.000 e 158.500 pontos em 105 etapas no Havaí
6.o: ASP AFRICA - US$ 3.425.000 e 82.500 pontos em 49 etapas na África do Sul
7.o: ASP ASIA - US$ 2.900.000 e 70.625 pontos em 77 etapas em três países

Texto: João Carvalho - Assessoria de Imprensa da ASP South America
Fotos: ASP


todos os programas

todas as notícias

1 |  2 |  3 |  4 |  5 
Próxima