AGUARDE
19 setembro 2017

10 fatos sobre Silvana Lima

A cearense Silvana Lima é tipo de surfista que era confundida com garotos quando começou a surfar no Ronco do Mar, em Paracuru.  Com um surfe a frente do seu tempo, Silvana mostrou muito cedo que tinha nascido para brilhar e aos 18 anos agarrou com unhas e dentes a oportunidade de se mudar para o Rio de Janeiro. Morando na capital fluminense numa espécie de república de surfistas nordestinos, localizada no bairro do Recreio dos Bandeirantes, ela começou a participar de competições nacionais e se destacar. Sua agressividade e manobras aéreas sempre foram um diferencial. Em 3 anos de carreira profissional a surfista conquistou dois títulos brasileiros e a tão sonhada classificação para o circuito da elite mundial, o CT. Fizemos uma lista com 10 curiosidades sobre a única representante do Brasil na elite mundial feminina de surfe. 

 

- Surfe com porta de madeira e prancha de isopor

Silvana Lima começou a surfar aos 07 anos com restos de portas de madeira e pranchas de isopor no Ronco do Mar, em Paracuru (CE).

 

- Capoeira e futebol

Além do surfe, Silvana ama jogar capoeira e futebol. Inclusive é dos tempos em que Silvana jogava futsal profissional pela sua cidade que vem o número 6 estampado na lycra de competição da surfista.

 

- Silvana já teve um canil

Apaixonada por cachorros, Silvana já teve um canil. O Bahia Bull Kennel durante algum tempo foi a fonte de renda para a surfista continuar competindo numa época em que estava sem patrocínio. 

Silvana com um de seus cães / Foto: Reprodução facebook

- Surfista mais velha do circuito e mais baixa do tour 

Com 31 anos, ela é a surfista mais velha da elite feminina. Depois dela, a mais velha é a australiana Stephanie Gilmore com 29 anos. Falando de estatura, Silvana tem 1’54 de altura; A segunda surfista mais baixa da elite é Coco Ho com 1’60m.

 

- Venceu quatro etapas do CT, todas contra australianas 

Em 2009 ela venceu duas provas na Austrália (Bells Beach e New South Wales), ambas contra Stephanie Gilmore na final; Em 2010 faturou a prova de San Bartolo, no Peru, derrotando a australiana Sally Fitzgibbons; E, após 07 anos sem chegar numa decisão, venceu a etapa de Trestles numa final contra a aussie Keely Andrew.

 

- Foi a primeira brasileira a balançar o sino de Bells

Apesar de muitos brasileiros só lembrarem da vitória de Adriano de Souza na etapa de Bells Beach, Austrália, em 2013, a gente destaca que foi Silvana Lima a primeira brasileira a balançar o tradicional sino em 2009. 

 

- Tatuagem em homenagem a Bells

A felicidade pela vitória em Bells foi tanta que Silvana registrou na pele. Além do sino a cearense já eternizou outras vitórias na pele, como a mais recente delas em Trestles. 

- Vice-campeã mundial 

Silvana bateu na trave do cobiçado título mundial por dois anos seguidos: 2008 e 2009.  Ambas as vezes ela ficou atrás da australiana Stephanie Gilmore.

 

- Rivalidade e respeito com Stephanie Gilmore

Ter Silvana Lima e Stephanie Gilmore na bateria é sinônimo de show de surfe. Elas protagonizam baterias quentes há 10 anos e não escondem a admiração e respeito uma pela outra. Dentre os confrontos eletrizantes vale destacar as já citadas finais em Bells e Sydney em 2009; O duelo da segunda fase do Rio Pro de 2014, que Silvana levou a melhor; A etapa da Gold Coast de 2015 em que elas se encontraram três vezes e Stephanie levou a melhor em duas; E as mais recentes baterias, da primeira fase e quartas de final, em Trestles, onde Silvana se consagrou campeã. 

Stephanie Gilmore e Silvana Lima em Bells 2009 / Foto WSL

- Chances de título mundial / Garantida para a elite de 2018

Infelizmente as chances de Silvana conquistar o título da temporada são remotas. Ela precisa fazer final nas três etapas que restam, vencer duas delas e torcer para as quatro primeiras do ranking ficar em 13º lugar nas provas. Atualmente Silvana ocupa a 13ª colocação no ranking do CT, que classifica as 10 primeiras para o ranking.  A boa notícia é que ela já está garantida para a elite de 2018 através do circuito de acesso. Ela é a atual líder do QS com 15.300 pontos. Em 2016 a sexta colocada somou 14.600 pontos.

Silvana venceu o QS 6.000 em Los Cabos (MEX) / Foto: WSL

Tags:
COMPARTILHAR